Bancos de Macaé vão aderir à greve no dia 30

Sindicato dos Bancários do município aprovou por unanimidade em assembleia no último dia 22, greve geral em todas as agências da cidade

O Sindicato dos Bancários de Macaé realizou uma assembleia na noite de última quinta-feira (22), que confirmou a adesão da categoria à greve geral, marcada para a próxima sexta-feira, dia 30 de junho. A greve vem sendo convocada nacionalmente pelas centrais sindicais em protesto contra o Projeto de Lei 38/2017, conhecido como Reforma Trabalhista e contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/2016, a Reforma da Previdência.
Os bancários de Macaé farão panfletagens e divulgação dos nomes dos parlamentares que apoiam as reformas para além de construir a greve geral no Estado, pressionar a bancada para a não aprovação dos projetos.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários de Macaé, Wagner Figueiredo, a greve geral marcada para o dia 30 deste mês, será o mesmo ato realizado no dia 28 de abril deste ano, quando trabalhadores de diversas categorias paralisaram as atividades em todo o país.
Entre os principais pontos de reivindicação do movimento, estão o fim das reformas trabalhistas, da previdência e do projeto da terceirização, que entre outros pontos, aumentam o tempo mínimo para aposentadoria, permitem a contratação de terceirizados para qualquer cargo e flexibilizam alguns direitos trabalhistas, como férias, pagamento de 13° e tempo de contratação.
“Este é mais um momento em que os trabalhadores estão se posicionando diante da tentativa do governo de retirar direitos que foram conquistados com muita luta e nós estamos participando de cada manifestação. Essa reforma é um cavalo de troia sim, bonito por fora e por dentro tem uma bomba que vai explodir com a vida do povo brasileiro. Faço um apelo às autoridades para rejeitar esse projeto”, disse Wagner Figueiredo.
O presidente do Sindicato dos Bancários do município, conclama a classe trabalhadora no dia  30 de junho, a fazer a maior greve geral da história do país e convoca todos os empregados das agências bancárias de Macaé a participarem do movimento, intensificando os protestos para denunciar os ataques ao banco 100% público e para fomentar a defesa do emprego, dos bancos públicos e dos interesses históricos dos trabalhadores.
“Todos os sindicatos e classe trabalhadora vão parar mais uma vez o Brasil para que o Governo e o Congresso Nacional entendam de uma vez por todas que, se aprovarem a retirada dos nossos direitos em benefício dos setores mais ricos do país, o Brasil vai parar”, finalizou Wagner.

Fonte : O Debate

 

Deixe seu comentário

comentários

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *