Falta de patrocínio coloca em risco projetos sociais na cidade

Macaé Basquete corre contra o tempo para levantar recursos para manter as iniciativas e a equipe profissional

Quem investe no Macaé Basquete está apostando muito mais do que em um time da elite do Novo Basquete Brasil (NBB). O patrocínio também ajuda a manter vivo projetos sociais que já estão consolidados no município e vem transformando a vida de algumas pessoas através da prática esportiva.
Um deles é o Basquete na Praça, projeto que se iniciou em 2014. A iniciativa atende a cerca de 250 crianças e jovens de oito a 16 anos, que fazem aulas gratuitas em seis núcleos: praças da Barra de Macaé, Parque Aeroporto, Lagomar, Jardim Santo Antônio, Visconde de Araújo e Washington Luiz (Centro).
Paralelo a isso, existe a Categoria de Base, que atende 70 jovens que sonham um dia em se tornar um atleta profissional. E muitos talentos que estão lá iniciaram sua trajetória no Basquete na Praça. Parte deles acaba levando a vocação adiante e hoje atua nas equipes de elite.
Outro projeto grande é o Basquete sobre Rodas, que já existe há mais de uma década, sendo incorporado aos projetos da Associação Macaense de Basquete há quatro anos. O principal objetivo da equipe é a recuperação de pessoas que sofrem lesões e ficam em uma cadeira de rodas. Com isso, a iniciativa tem ainda a finalidade de tirar essas pessoas de casa, fazer a readaptação e mostrar como podem ter uma vida melhor através do esporte.
Além disso, eles realizam visitas em escolas e eventos para mostrar um pouco do trabalho e falar sobre superação e acessibilidade. O time participa de competições estaduais, regionais e nacionais e tem o sonho de chegar na primeira divisão do Campeonato Brasileiro Sobre Rodas. Recentemente foi vice-campeão na Copa Centro/Sul/Sudeste, conquista que garantiu a vaga na terceira divisão do Nacional.
“Somos o único time da primeira divisão que mantém projetos sociais desse tipo. Esse lado social está no nosso DNA. Seria uma perda para o município se esses projetos acabassem. É difícil ver iniciativas que deram tão certo passar por esse tipo de situação”, lamenta o técnico da equipe profissional, Léo Costa.
O treinador faz o último apelo para os empresários que desejam abraçar a causa. Isso porque eles têm até amanhã (25) para confirmar a participação ou não da equipe profissional no NBB10, primeira divisão do Nacional.
Desde que a equipe, que, além do time profissional, mantém projetos sociais na cidade, foi pega de surpresa com a rescisão do seu patrocinador master, foi criada uma campanha no município.
Como se tornar um parceiro 
Quem quiser se tornar um parceiro pode aderir ao programa criado pela Associação Macaense de Basquete. Esse plano contém cotas de patrocínio que variam de R$ 500 a R$ 20 mil mensais.
Os empresários que quiserem se tornar um patrocinador/apoiador pode entrar em contato pelo e-mail: comercial@macaebasquete.com.br ou pelo telefone: (22) 98811-0399 (Léo Costa). A sociedade civil também pode ajudar se tornando um sócio torcedor. As informações completas podem ser acessadas no site: www.macaebasquete.eusoutorcedor.com.br.
“Estamos correndo contra o tempo. Qualquer ajuda que vier é importante. Se cada um contribuir com um pouco, juntos atingiremos a nossa meta. A nossa preocupação é que ainda falta um pouco para conseguir consolidar isso e o tempo é curto. Temos até sexta-feira para confirmar a Liga se vamos ou não participar da temporada 2017/18 do NBB”, diz Léo.
Fonte: O Debate

Deixe seu comentário

comentários

Você também pode gostar...